CAIXA de CARTÃO INVERTIDA

Este Fogão surge da necessidade de alargar o período de utilização do fogão solar. Com efeito, o modelo 'Girassol' foi desenhado para ser usado em Timor-Leste, onde a energia disponível é generosa e por isso se optou por um modelo simples de construir com materiais acessíveis. Para latitudes menos bafejadas pelo sol e/com baixas temperaturas ambientes e com ventos persistentes, como é o caso do norte de Portugal onde vivo, torna-se necessário um modelo que minimize as trocas de energia com o exterior (perdas), através da realização de uma estufa mais eficiente.

Este modelo é baseado numa caixa de cartão pré-comprado de dimensões 604040cm(*). Tem como particularidade o facto de abrir pela parte inferior para tirar partido do facto do ar quente subir e assim ficar retido, dificultando as fugas de calor.

ESTUFA
A caixa é invertida, com a tampa colocada na parte inferior e a superfície transparente é realizada no fundo da caixa.
O fundo da caixa é recortado, deixando apenas uma beira de 2cm no qual é colado um rectângulo de vidro acrílico transparente de 5mm de espessura.
Este vidro é colado com recurso a silicone de elevadas temperaturas (300ºC). O silicone deve igualmente ser usado para tapar todas as possíveis vias de fugas de ar, designadamente as arestas e quinas da caixa.


O isolamento é reforçado por dois métodos:
  • através da duplicação da espessura da caixa, fazendo um vínculo a meia altura pelo exterior nos quatro lados da caixa, que permite dobrar para dentro de pois de igualmente cortar até meio as arestas da caixa. A parede interior assim realizada, tem também o objectivo de prender inferiormente o vidro, dando resistência mecânica ao conjunto. A parede lateral da caixa tem agora duas espessuras de cartão canelado.
  • Duas espessuras extras, são realizadas através da realização de duas paredes laterais interiores, realizadas com o mesmo cartão canelado colando duas camadas com cola branca de madeira.
A tampa inferior, é realizada com a tampa da caixa, à qual se adicionam quatro camadas de cartão rectangular coladas na parte central, com as dimensões interiores da caixa, de forma a realizar o isolamento térmico na parte inferior da caixa e permitir um encaixe com algum aperto com as paredes laterais interiores.

Esta caixa assim construída é uma estufa muito eficiente pois as perdas térmicas são mínimas, o que se pode constatar pelo facto da temperatura das paredes laterais ser próxima da temperatura ambiente e não da que se desenvolve no seu interior.

Um cuidado adicional de grande importância, pois aumenta a longevidade da caixa e permite a sua limpeza com água: forrar as paredes interiores da caixa com material metálico autocolante, o mesmo que vamos usar para realizar os espelhos e eventualmente com silicone nos cantos e lugares mais difíceis.

ACUMULADOR:
Este elemento é opcional mas de grande contributo para a eficiência e desempenho do fogão. Destina-se a acumular a energia térmica recebida no interior da caixa e a conservá-la durante um tempo considerável, evitando as variações devidas a, por exemplo, redução de energia devido a períodos de nebulosidade.
Foi escolhido um vidro temperado de 10mm de espessura. O vidro tem elevada inércia térmica e a elevada espessura permite que na sua massa armazene maior quantidade de energia, além de o tornar mais robusto. Este vidro é pintado de preto baço, com uma tinta de elevada temperatura 600 a 800ºC vendida em spray.

ESPELHOS:
espelhos colectam e dirigem para a estufa os raios solares
Os espelhos são realizados sobre placas de polipropileno alveolar de 3,5 a 5mm de espessura, realizados em duas peças, sobre os quais é aplicado uma banda metálica espelhante autocolante (DC-FIX ou outra similar).
A forma e os vincos permitem, através de dois esticadores, ajustar a inclinação dos espelhos por forma a que os mesmos se ajustem à altura do sol.
O material escolhido além de muito leve, é muito resistente mecânicamente e nomeadamente à água, permitindo a sua lavagem o que é essencial para manter os níveis de reflexão.

TACHO:
O tacho pode ser qualquer um, aconselhando-se naturalmente cores escuras ou mesmos pretos baços. Especialmente indicados(**) são travessas de vidro 'pirex' ou cerâmicas, as quais podem ser pintadas de preto baço pela parte exterior com a mesma tinta de levadas temperaturas a fim de que, sendo muito estáveis a temperaturas inferiores, não emitam odores tóxicos. Podem igualmente serem usadas travessas ou tachos de alumínio, ferro fundido esmaltado, etc., sendo mais prático as travessa pelo facto de serem rectangulares e assim ser possível tirar melhor partido do espaço igualmente rectangular da caixa(***).

conjunto: caixa-estufa e espelhos

de fazer água na boca













--------------
(*) pode ser encontrado na Stapples ou MaxMate em conjuntos de 5 caixas.
(**) por terem elevada inércia térmica e assim um acrescido armazenamento e estabilidade da energia.
(***) este fogão aloca bem duas travessa de 3025cm., permitindo em simultâneo ser feito duas receitas, ou o acompanhamento em separado.


Sem comentários: